Colaboladores|Links|Sobre|home


Revista Pandora Brasil - ISSN 2175-3318
Revista de humanidades e de criatividade filosófica e literária



Índice   Sobre o livro    Próximo poema »






POEMA PARA TEU MEIO-DIA

(Jorge Luis Gutiérrez)


Raios ferozes,
como beijos divinos,
inundam as veredas
desde as alturas nubladas.
É meio-dia.

E tu vais radiante
sob a chuva clara...
Enquanto o tempo
vai timoneando as palavras.

O cheiro a café,
e o filme de você caminhando,
completam a perfeição
deste momento.

Contemplo-te:
Floresces a cada instante,
és como uma
primavera essencial.
Formosamente envolvida
pela celestial chuva.

Ah! se cada gota fosse um beijo,
eu poderia beijar-te tanto!
Ah se cada trovão fosse um abraço,
eu poderia abraçar-te tanto!

Se até parecesse
que não há tristezas
no mundo
quando te contemplo.

E a chuva me ensina
a arte de amar-te,
e eu aprendo rápido.

Ah sublime instante
de luz e gratidão!
de simplicidade intensa,
de vida acontecendo.
E de amor cochichando
uma ode à chuva.


____________________________________

Poema publicado no livro de Jorge Luis Gutiérrez
"Inundada de luz, poemas de amor e filosofia episódica"
São Paulo, Editora Baraúna, 2010.





Colaboladores|Links|Sobre|home