Colaboladores|Links|Sobre|home


Revista Pandora Brasil - ISSN 2175-3318
Revista de humanidades e de criatividade filosófica e literária



Índice   Sobre o livro    Próximo poema »






MULHER DESFRAGMENTADA

(Jorge Luis Gutiérrez)


Deixa-me desfragmentar
o infinito.

Navegar até o fundo
do coração de você
e desfragmentá-lo tudo

Percorrer o perímetro
de seu umbigo
e desfragmentar você toda.

E descobrir que o infinito
tem coração e umbigo

Deixa-me ser seu
desfragmentador de infinitos.

E entre desfragmento e desfragmentos
olhar você completamente desfragmentada...

Desfragmentada da cintura para cima,
desfragmentada da cintura para baixo.

Desfragmentada intensamente,
Femininamente desfragmentada,
Desfragmentada infinitamente,
umidamente desfragmentada.

Quero ser o desfragmentador
de todas suas histórias...

De sua ternura plural
e de sua nudez singular.

Ah! me deixa desfragmentar você...
Quero seu amor desfragmentado
e suas verdades desfragmentadas.

Quero você desfragmentadamente,
Desejo todos seus desfragmentos.

Amar você como amo
um desfragmentado outono:
com sexualidade desfragmentadora
e com folhas desfragmentadas.

Ah! Quero você toda desfragmentada!

Mulher de desfragmentadoras delícias:
Você me deixa ser seu infinito desfragmentado?


____________________________________

Poema publicado no livro de Jorge Luis Gutiérrez
"Inundada de luz, poemas de amor e filosofia episódica"
São Paulo, Editora Baraúna, 2010.





Colaboladores|Links|Sobre|home