Colaboladores|Links|Sobre|home


Revista Pandora Brasil - ISSN 2175-3318
Revista de humanidades e de criatividade filosófica e literária



Índice   Sobre o livro    Próximo poema »






LONGÍNQUA

(Jorge Luis Gutiérrez)


Longínqua.
Numa distância
contingente e reparável
que me seduz e me alucina.

Amando,
sempre amando.

E dizendo-me que ao amor
não lhe agradam as distâncias.

E que a separação
é nos dois sentidos,
porque para ti
eu também estou inacessível.

E te ofereces a mim
desde a lonjura
plena de aromas e sabores.

E tenho vontade de apalpar
a textura e a essência
de tua vivacidade.

E ficar-me quieto,
bem quieto.
Sentindo
tua fragrância e teu impulso.
Tendo-te perto
bem pertinho.

Iminente,
Adjacente,
Contígua,
Lindante comigo.

Sem nenhum desterro
entre teus átomos e os meus.


____________________________________

Poema publicado no livro de Jorge Luis Gutiérrez
"Inundada de luz, poemas de amor e filosofia episódica"
São Paulo, Editora Baraúna, 2010.





Colaboladores|Links|Sobre|home