Colaboladores|Links|Sobre|home


Revista Pandora Brasil - ISSN 2175-3318
Revista de humanidades e de criatividade filosófica e literária



Índice   Sobre o livro    Próximo poema »






ELA PASSA

(Jorge Luis Gutiérrez)


Eu abriria minha alma,
rasgaria os céus,
por deitar-me a teu lado
por toda uma tarde.

E na intensidade do tempo
conjugaria as brasas
que tu andas deixando
por toda minha carne.

Pois és mulher
de cândida substância
que deambulas sensual
por meus amplos desertos.

E tua luz redentora
se expande em meus olhos
enquanto passas divina,
contingente e confiante.

E no plano de fundo da tarde
teus saltos vão soando,
delicada, elegante.

E com teu corpo ondulando
avanças simplesmente.
tua saia transita.
vais linda... radiante...

E eu te contemplo
silencioso e profundo,
profanando teus traços,
desaroupando teu corpo,
e quisesse vagar por tua
exterioridade ensolarada
e ter-te em fartura
por toda uma tarde.

E com cadência grandiosa
te moves deslumbrante,
com as cores mansas
de uma vida plena.

Como um anjo impudico
passando ante meus olhos,
deixando a teu passo
a luz da tua existência,
e em minha essência
o excelso anseio de beijar-te.

(Esse ocorrer tão teu,
de harmonia inigualável,
alumia meu ser.

E no mais intenso
de meu coração que te ama,
eu te agradeço:
pela íntima dita
que me transmites ao ver-te).


____________________________________

Poema publicado no livro de Jorge Luis Gutiérrez
"Inundada de luz, poemas de amor e filosofia episódica"
São Paulo, Editora Baraúna, 2010.





Colaboladores|Links|Sobre|home